segunda-feira, maio 16, 2022
spot_img
HomeInvestimentosTaxas dos títulos públicos negociados no Tesouro Direto têm nova alta nesta...

Taxas dos títulos públicos negociados no Tesouro Direto têm nova alta nesta 2ª feira, de olho em aumento da Selic e preocupações com o fiscal

SÃO PAULO – Em semana de decisão de política monetária, em meio a novos aumentos das previsões para a inflação e com preocupações latentes sobre as contas públicas brasileiras, a maioria dos títulos públicos atualmente disponíveis para compra negociados via Tesouro Direto segue o movimento de alta das taxas na manhã desta segunda-feira (2). O destaque recai sobre o aumento dos prêmios pagos por papéis com vencimentos mais curtos, entre 2024 e 2026.

Entre os títulos com retornos prefixados, o juro do papel com vencimento em 2024 subia de 8,71%, na tarde de sexta-feira (30), para 8,78%, na primeira atualização da manhã, enquanto o juro do título prefixado com vencimento em 2026 avançava de 9,04% para 9,08%. O título prefixado com vencimento em 2031 e pagamento de juros semestrais, por sua vez, pagava um prêmio de 9,51% e oscilava próximo da estabilidade ante a sessão de sexta-feira, quando o retorno pago pelo papel era de 9,50%.

No grupo de papéis com retornos atrelados à inflação, o juro real pago pelo título Tesouro IPCA+ com vencimento em 2026 subia de 4,00% para 4,05% no início desta manhã. No mesmo horário, os prêmios dos títulos Tesouro IPCA+ com vencimentos em 2035 e 2045 eram negociados perto da estabilidade, com juro real de 4,30%. Anteriormente, o mesmo título oferecia uma rentabilidade real de 4,29%.

Entre os títulos que acompanham a inflação com pagamento de juros semestrais, o Tesouro IPCA+ 2055 era a exceção do dia, ao oferecer retorno real de 4,48% no início dos negócios, abaixo dos 4,50% da sessão de sexta-feira.

Confira os preços e as taxas atualizadas de todos os títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto nesta segunda-feira (2):

Taxas Tesouro
Fonte: Tesouro Direto

Radar local

Destaque do início do mês, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central se reúne terça e quarta-feira para definir o novo rumo da taxa básica de juros. Segundo o relatório Focus desta semana, o mercado financeiro estima alta de um ponto percentual da Selic, de 4,25% para 5,25% ao ano. Para o encontro de setembro, a previsão para a Selic subiu de 6,00% para 6,25%, apontando para nova alta de um ponto.

A expectativa é que a taxa básica de juros encerre 2021 em 7%, se mantendo neste patamar até dezembro de 2022 – sem alterações em relação ao relatório da semana passada.

E as projeções para a inflação seguem em alta. Pela 17ª semana consecutiva, a estimativa para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu, desta vez de 6,56% para 6,79%. A projeção mostra um distanciamento ainda maior da meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de 3,75% para 2021.

A previsão para a inflação de 2022 ficou praticamente igual, ao passar de 3,80% para 3,81%.

Leia mais:
Em semana de decisão de Copom, mercado financeiro eleva projeção para o IPCA em 2021 pela 17ª semana seguida, para 6,79%

Ainda na agenda local, as atenções do mercado estão voltadas para as ameaças de um possível descumprimento do teto dos gastos. Na sexta-feira (31), o presidente Jair Bolsonaro defendeu o endividamento do governo para conseguir financiar o reajuste do Bolsa Família.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, contudo, reforçou no mesmo dia que o governo não descumprirá a regra do teto de gastos por causa do Bolsa Família, cujo valor será reajustado segundo anúncio já feito pelo presidente Jair Bolsonaro. Na semana passada, o presidente anunciou que o valor médio do Bolsa Família será revisto para acima de R$ 300, dos atuais R$ 192.

“Os senhores podem ter certeza que não furaríamos o teto por causa do Bolsa Família, não é nada disso, isso tudo está sendo programado com muita responsabilidade”, disse Guedes a jornalistas, após participar de evento no Rio de Janeiro.

Outra preocupação do mercado está nos precatórios. O governo discute uma PEC para alterar o fluxo de pagamento de precatórios devidos pela União, após identificar que esses gastos chegarão a quase R$ 90 bilhões em 2022, bem acima dos já expressivos R$ 54,75 bilhões programados para este ano.

Em evento no Rio, na última sexta-feira, Guedes referiu-se à despesa como um “meteoro” que vem de “outros poderes”.

A pressão desse gasto ameaça o espaço reservado no Orçamento para a reformulação do Bolsa Família e tem encorajado integrantes da ala política a defenderem mudanças no próprio teto de gastos.

No fim de semana, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota com uma crítica à possibilidade de mudança na regra de pagamento de precatórios devidos pela União. A medida está em estudo no governo, como antecipou o Estadão/Broadcast. A OAB diz que a medida é uma tentativa de institucionalização do “calote” para fins eleitoreiros.

Cenário internacional

O foco dos investidores estrangeiros nesta abertura de mês está na divulgação do índice do gerente de compras (PMI na sigla em inglês) Caixin/Markit relativo a julho na China, que marcou 50,3 pontos, abaixo da expectativa de analistas ouvidos pela agência internacional de notícias Reuters, de 51,1 pontos. Em junho o indicador havia marcado 51,3 pontos. Qualquer valor acima de 50 indica expansão e abaixo indica retração.

Já nos Estados Unidos, segundo a agência Reuters, o Senado tentará finalizar nesta semana o acordo que prevê investimentos em infraestrutura de US$ 1 trilhão, que levará melhorias em estradas, pontes e sistemas de trânsito de grande porte. De acordo com o veículo, o acordo poderá dar uma vitória bipartidária rara ao presidente Joe Biden.

Também nos Estados Unidos, será divulgado o PMI industrial relativo a julho nos Estados Unidos. Às 11h, serão reportados dados sobre gastos de construção em junho e, às 21h, será divulgado o total de vendas de veículos no país.

Na zona do euro, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria da zona do euro contraiu de 63,4 pontos, em junho, a 62,8 pontos, na leitura final de julho, de acordo com a IHS Markit. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam um resultado de 62,6 pontos.

Segundo o relatório, com exceção da Alemanha, houve recuo no PMI da indústria da região em julho. De acordo com a IHS Markit, o resultado mostra que o setor industrial e fornecedores enfrentam dificuldades para atender à demanda, o que tem elevado os preços.

Balanço do Tesouro em julho

Após quedas de preços que chegaram aos 6,50% em junho, os títulos públicos negociados via Tesouro Direto atualmente disponíveis para compra fecharam julho com variações pouco expressivas e sem uma direção única.

A maior baixa dos preços foi de 1,04%, do Tesouro IPCA+ com vencimento em 2026, e a maior alta, de 0,39%, partiu do Tesouro Prefixado com juros semestrais 2031.

Todos os papéis que estão disponíveis para novos investimentos no Tesouro Direto mostram queda dos preços no ano e perdem, portanto, do Ibovespa, com alta de 2,34%, e do CDI, com variação de 1,64%.

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se grátis e participe.

The post Taxas dos títulos públicos negociados no Tesouro Direto têm nova alta nesta 2ª feira, de olho em aumento da Selic e preocupações com o fiscal appeared first on InfoMoney.

- Advertisment -spot_img