segunda-feira, setembro 27, 2021
Home Economia Serviços, em recuperação gradual, podem impulsionar economia no fim do ano

Serviços, em recuperação gradual, podem impulsionar economia no fim do ano

Apesar de um desempenho abaixo das expectativas para o segundo trimestre do ano, o setor de serviços deve ser a alavanca para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) na reta final de 2021. Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, o setor cresceu 0,7% de abril a junho, representando 1,3 trilhão de reais em valores correntes, pouco mais de 50% do PIB brasileiro – economistas projetavam um avanço maior, de 0,9%. A performance reflete um período de recrudescimento da pandemia de Covid-19 no país, sobretudo em abril, quando muitos estados tiveram de impor medidas de isolamento social, o que prejudicou atividades que demandam mais contato humano, como o comércio varejista, o setor de hotéis, bares e restaurantes. Mas, com o fim das restrições e o avanço da vacinação no país, as pessoas voltaram a circular e esses setores, mesmo sofrendo os efeitos da inflação, que prejudica o poder de compra das famílias, devem apresentar números muito superiores no restante do ano.

Os serviços foram os mais afetados pela crise sanitária em 2020, com queda de 4,5% em 12 meses. Por isso, imaginava-se que o setor fosse, rapidamente, deslanchar e recompor as perdas este ano. Não aconteceu como se esperava. “Entre o final de 2020 e março deste ano, a gente teve uma queda na circulação de consumidores no setor de comércio e de serviços de 24%. Isso atrapalhou um pouco”, diz o economista-sênior da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) Fora isso, a taxa de desemprego, que ainda assola mais de 14 milhões de brasileiros, contribui para a retomada mais lenta.. “Mas, o que mais atrapalhou mesmo foi essa inflação resistente e bastante alta, que hoje roda, no acumulado de 12 meses, na casa dos 9%. Isso seguramente ajudou a puxar o freio de mão da atividade econômica.”

De acordo com as estatísticas do IBGE, houve resultados positivos, na comparação trimestral, em “Informação e comunicação” (5,6%), “Outras atividades de serviços” (2,1%), “Comércio” (0,5%), “Atividades imobiliárias” (0,4%), “Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados” (0,3%) e “Transporte, armazenagem e correio” (0,1%). O segmento de “Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social” apresentou estabilidade. 

A despeito de uma possível retração ocasionada pela disseminação de novas variantes de Covid-19, sobretudo a Delta, cepa que é mais transmissível, o setor de serviços deve deslanchar nos próximos resultados, o que levará o PIB, segundo previsões dos economistas, a um patamar acima de 4% este ano. Com a pandemia sob aparente controle, devido à alta taxa de vacinação no país, governantes removeram barreiras e estão, inclusive, voltando a incentivar o turismo. São Paulo, grande polo de eventos corporativos, já anunciou a permissão para grandes conferências, além do Grande Prêmio de Fórmula 1, em novembro, com 100% de capacidade para o público, e o festival de música Lollapalooza, agendado para março de 2022.

“O setor de serviços deve se destacar no segundo semestre, principalmente por conta do esperado avanço da vacinação. O retorno das atividades presenciais favorece tanto os serviços privados prestados às famílias como os serviços públicos. A recuperação dos serviços privados, em especial, é um fator crucial para uma elevação mais significativa do emprego”, diz Adriana Dupita, economista-chefe da Bloomberg.

Segundo Paulo Solmucci, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o segmento de bares e restaurantes passaram, a partir de julho, a registrar números semelhantes a 2019. “Nosso segundo semestre será bem melhor e isso vai se refletir em puxar o PIB para cima. Em termos reais, já estamos registrando números superiores a 2019”, diz ele. Há, no entanto, o temor, que não é apenas do setor, de que a inflação e a crise hídrica retardem um crescimento mais robusto. “Nós estamos sendo pressionados de todos os lados. A questão da energia elétrica pesa muito para nós, a inflação de alimentos tem sido brutal e até o combustível, que antes refletia de maneira indireta, agora passa a refletir de maneira direta por causa dos custos com o delivery. Então, tudo isso forma uma pressão de custos muito dura.”

Mais desafios

Outro fator, ainda pouco mencionado por analistas, também pode atrapalhar o setor. Em 2020, o Banco Central cortou a taxa básica de juros, a Selic, do país ao menor nível da série histórica. Mas, recentemente, a autoridade fiscal tem recomposto a Selic a níveis mais altos, o que tende a afetar a capacidade do uso de crédito por parte dos brasileiros. Com alto nível de desemprego e inflação, o uso do cartão de crédito se tornou uma forma de financiar as compras de bens essenciais, como alimentos. Como viagens de turismo demandam mais financiamentos, a alta rotatividade dos juros pode afugentar aqueles que pretendem viajar no fim do ano.

“Se o consumidor se depara com uma taxa de juros mais salgada, que é o que já está acontecendo, e o mercado de trabalho não evolui de forma positiva ao longo do ano, ele fica sem saída. Isso tira o impulso de curto prazo e a possibilidade de alavancar o crescimento da economia via crédito”, diz Bentes. “Lembrando que, ao longo da pandemia, as dívidas para os consumidores ficar muito longas, e isso comprometerá o orçamento das famílias por mais tempo. Hoje, segundo o BC, 30% da renda das famílias está comprometida com dívidas. É muita coisa”. Ou seja, o caminho para a recuperação do PIB está dado, mas há muitos entraves no caminho, o que pode colocar o crescimento do setor, sobretudo no quarto trimestre e ao longo de 2022, sob risco.

- Advertisment -