domingo, maio 22, 2022
spot_img
HomePolíticaPara atrair Bolsonaro, PTB enquadra quase metade dos diretórios em SP

Para atrair Bolsonaro, PTB enquadra quase metade dos diretórios em SP

Entre as mudanças que vem promovendo para atrair o presidente Jair Bolsonaro, que ainda procura um partido para disputar a reeleição em 2022, o PTB também quer alterar os diretórios municipais espalhados pelo país para garantir uma composição que reflita as novas diretrizes que aproximam a legenda da agenda bolsonarista.

Em São Paulo, cerca de 300 diretórios municipais — quase metade de todas as cidades onde o partido está organizado — foram suspensos em razão de coligações anteriores, já que o partido passou a proibir alianças com o PSDB — antigo aliado de Campos Machado, que comandou o PTB-SP por décadas — ou com PT, PDT e PCdoB.

Depois ver naufragar a tentativa de fundar seu próprio partido, o Aliança Pelo Brasil, ou assistir uma cisão no Patriota após a sua aproximação, Bolsonaro passou a ser cortejado pela sigla de Roberto Jefferson, preso acusado de incitar atos violentos contra ministros do Supremo Tribunal Federal. O presidente também conversa uma possível filiação com o PP de Ciro Nogueira, que assumiu recentemente a Casa Civil — mas que, por outro lado, tem alianças locais com o PT de Lula, sobretudo no Nordeste.

Em São Paulo, o novo dirigente da sigla, o empresário Otávio Fakhoury, trabalha para atrair novos filiados e diz que todos os deputados apoiadores de Bolsonaro que chegarem à legenda terão a candidatura garantida no ano que vem  — além do deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, o partido ainda flerta com os ex-ministros Abraham Weintraub (Educação), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Entretanto, os cargos de governador e senador entrarão na negociação de alianças. “A única coisa que não consigo garantir é uma legenda majoritária (governador e senador) porque ela está à disposição da Executiva Nacional”, afirma Fakhoury. “Isso está na mesa para uma negociação entre o Roberto Jefferson e Bolsonaro”.

- Advertisment -spot_img