sexta-feira, setembro 17, 2021
Home Política “O mais importante já foi revelado”, diz Alessandro Vieira sobre CPI

“O mais importante já foi revelado”, diz Alessandro Vieira sobre CPI

Na reta final, qual o balanço que o senhor faz dos trabalhos da CPI? Com a degradação da atividade parlamentar, as pessoas tratam o Parlamento como um entreposto de emendas e cargos, e não como uma Casa que deve fiscalizar e produzir soluções. A CPI mudou um pouco isso, se aproximou bastante da sociedade, foi muito vista e conseguiu pôr luz na forma de atuação do governo Bolsonaro. No caso das vacinas, o setor técnico recomenda comprar o máximo de vacinas o mais rápido possível, com uma grande campanha de esclarecimento da população. O governo seguia fazendo o contrário. Quando a CPI chega, o presidente volta atrás um pouquinho. Digo um pouco porque Bolsonaro continua desinformando todos os dias.

É correta a impressão de que ela perdeu força depois do recesso? Grande parte dos senadores pensava que a CPI poderia ser um fórum judicial para investigar e descobrir esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro. Num primeiro momento, para muitos deles parecia que era uma mágica, que seria só apertar dois botões e teríamos a identificação de para onde foi o dinheiro da propina. Não é assim que funciona.

Então não há provas de corrupção? Falta a alguns parlamentares a compreensão exata do que se pode e do que não se pode fazer em uma CPI. A gente não consegue avançar muito nas investigações sobre corrupção, por exemplo, porque não temos ferramentas suficientes para tocar investigações sobre lavagem de dinheiro e organização criminosa. Não vamos conseguir investigar corrupção esperando que alguém sente na cadeira e confesse.

Então foi um erro tentar investigar corrupção? Ela devia ter se concentrado nas ações e omissões do governo. Corrupção entra nessa conta como a motivação. Tanto faz se você deixou de comprar vacina porque é corrupto ou porque é ignorante. Quando colocamos no papel tudo o que o governo fez de errado e medimos o prejuízo, centenas de milhares de pessoas poderiam estar hoje vivas, milhões de pessoas poderiam não ter adoecido. É difícil ter uma coisa mais grave do que essa.

Publicado em VEJA de 1 de setembro de 2021, edição nº 2753

- Advertisment -