quarta-feira, março 3, 2021
Home Economia Pressões políticas impedem nomeação de novo presidente da Eletrobras

Pressões políticas impedem nomeação de novo presidente da Eletrobras

Poucas estatais no país possuem tantos lotes políticos e tão definidos como a Eletrobras. A Chesf, geradora do vale do São Francisco, é comandada historicamente por políticos do Nordeste. Furnas, por Minas Gerais. E a Eletronorte, pela bancada do Norte no Senado. Essa, inclusive, foi criticada publicamente pelo presidente demissionário Wilson Ferreira Jr., na segunda-feira, 25, por ter atrapalhado os planos de privatização da controladora Eletrobras. Pois estes grupos políticos veem na saída de Ferreira a chance de ampliarem suas influências na companhia. Esperam, para isso, a eleição para as presidências da Câmara e do Senado.

A saída de Ferreira, embora tenha pego os investidores de surpresa, foi planejada e pensada para que, já na segunda, os conselheiros emplacassem o nome do presidente do conselho, Ruy Flaks Schneider. A briga de poder nas casas legislativas poderia abrir uma brecha para que o loteamento da estatal não fosse refeito. Foram barrados pelo Palácio do Planalto.

Mas engana-se quem acredita que, se o Planalto não tivesse intervindo, isso livraria a empresa da influência política. Na verdade, o Palácio do Planalto viu na manobra algo que beneficiaria em muito o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado e pai do ex-ministro de Minas e Energia Fernando Bezerra Filho, antecessor de Bento Albuquerque na pasta. Há quem diga que foi uma manobra ousada e hostil. Assim, ministros palacianos preferiram esperar as eleições.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade

- Advertisment -