sábado, fevereiro 27, 2021
Home Economia Logo no primeiro dia, Lira faz promessa difícil de cumprir ao mercado

Logo no primeiro dia, Lira faz promessa difícil de cumprir ao mercado

Arthur Lira (PP-AL) já passa pelo primeiro teste do mercado financeiro. Ele que acordou presidente da Câmara, precisou logo no primeiro dia se desvencilhar de um rumor que já contaminava os preços de ações: um possível aumento de impostos sobre instituições financeiras. Assim, para tirar desanuviar a situação, negou, à XP Investimentos, que não irá pautar qualquer projeto que signifique aumento de carga tributária à atividade financeira. Ninguém sabe como Lira vai se virar para cumprir a promessa que acabou de fazer.

Isso porque Lira deve jogar contra a PEC 45, de autoria do ex-presidente da Casa Rodrigo Maia (DEM-RJ) e de Baleia Rossi (MDB-SP). Deve trabalhar com a proposta do governo (PL 3.887) e com a PEC 128, de Luis Miranda (DEM-DF) — que apesar do partido, é mais próximo de Lira do que de Maia. Contudo, apoiar essas duas últimas significa endossar a criação do imposto sobre pagamentos, conhecida como nova CPMF. E mesmo que não venha a malfadada taxa, somente a unificação do PIS e da Cofins já vão elevar brutalmente a carga sobre bancos devido à readequação das alíquotas prevista no PL 3.887.

E vale lembrar que a PEC 45 foi cunhada no CCiF (Centro de Cidadania Fiscal), órgão privado sustentado por empresas como Itaú e Votorantim. Ou seja: não é segredo para ninguém que o texto de Baleia é muito melhor aceito pelo mercado que o do governo.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade

- Advertisment -