domingo, julho 3, 2022
HomePolíticaCPI quebra sigilos e aperta o cerco sobre bolsonaristas nas redes sociais

CPI quebra sigilos e aperta o cerco sobre bolsonaristas nas redes sociais

A CPI da Pandemia apertou ainda mais o cerco ao ativismo bolsonarista nas redes sociais ao aprovar nesta quinta-feira, 19, a quebra de sigilos bancário, fiscal e telemático (de e-mails e conversas por aplicativos de mensagens, por exemplo) de vários sites e perfis de direita — todos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro — suspeitos de compartilharem fake news sobre a Covid-19, como a defesa de medicamento sem eficácia e ataques à eficácia da vacinação e do uso de máscaras.

Um dos objetivos dos senadores é conseguir informações sobre o financiamento desses perfis e, principalmente, se dinheiro público foi usado para propagandear desinformação sobre a pandemia. Muitos dos requerimentos aprovados solicitam também relatórios de inteligência ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

A medida aumenta a pressão das instituições sobre os responsáveis por canais do YouTube ou perfis no Twitter, Facebook e Instagram que publicam notícias falsas. Na semana passada, o corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Felipe Salomão, determinou o bloqueio da monetização de onze perfis bolsonaristas suspeitos de espalharem fake news sobre a urna eletrônica e o sistema eleitoral brasileiro.

Os perfis bolsonaristas também são alvo de outra CPMI no Congresso, a das Fake  News – que deve retomar as atividades em setembro – e de inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes.

Na decisão desta quinta-feira foram atingidos os perfis e canais tratamentoprecocepv, Brasil de Olho, Alemanha Comentada, patriotasb, Patriotas, Verdade dos fatos, Oinformante, Movimento Avança Brasil e Movimento Conservador.

Também foram quebrados os sigilos de responsáveis por sites de direita como Tarsis de Sousa Gomes,  do Renova Midia; Allan Lopes dos Santos, do Terça Livre; José Pinheiro Tolentino, do Jornal da Cidade Online; Raul Nascimento dos Santos, do Conexão Política; Paulo de Oliveira Enéas, do Crítica Nacional; e a empresa Farol produções, do Senso Incomum.

Foi aprovada ainda a quebra de sigilo de vários influenciadores bolsonaristas. Serão analisadas as informações do médico defensor de remédios sem eficácia para tratar a Covid-19, Alessandro Lemos Passos Loiola; do blogueiro Oswaldo Eustáquio e do antropólogo Flávio Gordon. O Instituto Força Brasil, presidido pelo tenente-coronel da reserva Helcio Bruno de Almeida, que já depôs na CPI, e o Brasil Paralelo Entretenimento e Educação também estão na lista.

A lista inclui ainda os youtubers Gustavo Gayer Machado de Araújo, Everson Henrique de Oliveira, Bernardo Pires Kuster e Pamela Puertas Dias, e os empresários Richards Dyer Pozzer e Leandro Ruschel. A influencer Flávia Viana, que já admitiu ter recebido dinheiro do governo para divulgar o tratamento precoce, também teve os seus sigilos quebrados.

Liberdade de expressão

A bancada governista na CPI da Pandemia, formada por senadores como Eduardo Girão (Podemos-CE) e Marcos Rogério (DEM-RO), tentou barrar a quebra de sigilos alegando que a medida feria os direitos à liberdade de expressão e de imprensa e que era, na verdade, uma perseguição ideológica a publicações de direita e que defendem o governo Bolsonaro.

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), decidiu então submeter o tema à votação — a quebra foi aprovada por seis votos a quatro.

 

 

- Advertisment -spot_img