domingo, março 7, 2021
Home Brasil Selic a 2% ou a 5%? Persevera e Occam explicam diferentes previsões...

Selic a 2% ou a 5%? Persevera e Occam explicam diferentes previsões para os juros em 2021

Businessman using tape measure to measure the height of the percentage symbol

SÃO PAULO – Já foram quatro reuniões com a taxa Selic mantida no patamar de 2% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). Mas se depender das expectativas de parte expressiva do mercado financeiro, a situação deverá ser alterada ainda no primeiro semestre deste ano, com o início de um processo de aumento dos juros para conter a inflação.

A primeira sinalização foi dada com a retirada da expressão “forward guidance” (prescrição futura, no jargão em inglês), que funcionava como uma “barreira técnica” para a alta de juros, no comunicado após a última reunião.

Segundo a ata referente ao encontro de janeiro, parte dos integrantes do Copom já considerava a necessidade de dar início à elevação da Selic, mas, diante das incertezas, foi decidido aguardar mais informações sobre o cenário econômico e a pandemia do coronavírus.

Na última quinta-feira (11), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que a intenção dessa parcela do colegiado com relação a mudanças na Selic dizia respeito a março. E ressaltou que o fato de o BC comunicar um dissenso não deveria ser interpretado como uma sinalização sobre sua política monetária, enfraquecendo a visão do mercado de uma alta de juros na próxima reunião do Copom no mês que vem.

O último relatório Focus, do BC, que compila semanalmente as expectativas de mercado (bancos, gestoras de recursos, empresas não-financeiras, consultorias, associações de classe, academia, entre outras), apontava para a manutenção da Selic no encontro do Copom em março, porém com aumento para o patamar de 3,50% ao fim do ano, e de 5,00%, em dezembro de 2022.

O boletim ainda mostra uma perspectiva de inflação de 3,60% registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021 e de 3,49%, em 2022.

Diante desse cenário, são poucas as gestoras que têm se posicionado a favor da manutenção dos juros no nível atual. Uma das vozes dissonantes parte da equipe da Persevera, encampada por Guilherme Abbud, um dos fundadores e diretor de investimentos.

Coragem, BC

Em carta a investidores referente a janeiro, a Persevera afirmou serem compreensíveis os temores de que o “dragão da inflação” ressurgirá com força, dada a magnitude e a velocidade dos estímulos fiscais e monetários implementados em 2020, em uma ordem de grandeza superior ao que foi feito na crise financeira global. A gestora defende, contudo, uma visão na direção oposta, com a avaliação de que o mundo apresenta questões estruturais “incomodamente inflacionárias”.

“O mercado vai se decepcionar com a atividade, vai se surpreender com uma inflação baixa e ver que o câmbio vai gerar apenas um repique inflacionário”, diz Abbud, ressaltando esperar alta de 3% do IPCA neste ano, um crescimento de 2,5% do PIB e o dólar a R$ 4,50, em dezembro. “Achamos que a Selic não está fora de lugar para a realidade vigente, até deveria cair mais.”

Para o diretor, o grosso do repique de preços já ocorreu, em meio ao auxílio emergencial, à alta das commodities e à forte desvalorização cambial. Ele chama atenção para o elevado nível de endividamento no país e com uma taxa de desemprego também elevada, o que endossa a perspectiva de que a retomada levará alguns anos.

“Se o Banco Central tiver sangue frio, paciência, vai ficar claro daqui a alguns meses que a atividade brasileira está se desacelerando forte e que a inflação mais alta foi um repique”, afirma Abbud.

Leia também:
Verde: busca por ativos de maior risco deve continuar mesmo com Selic em 5%

A preocupação, em sua avaliação, é que o BC esteja deixando dois fatores competirem com a visão de inflação sob controle. O primeira seria a “sensação genérica” de que os juros já caíram demais, como se o atual patamar fosse incompatível com a realidade da economia brasileira.

E a segunda questão diz respeito a uma impressão de que a autoridade monetária conseguiria normalizar o câmbio com os juros mais altos, o que é contestado pela Persevera.

O investidor estrangeiro com grande peso no mercado, que historicamente buscava o carry trade – estratégia que envolve a venda de moeda de um país de juro mais baixo, tida como mais segura, e a compra de uma divisa de outra nação com juros mais elevados –, não deve retornar tão cedo, destaca Abbud.

“O Brasil expulsou o dinheiro que só vinha pelo carry trade, e não adianta levar a Selic de 2% para 4%, o carry trader não virá. Teria que levar os juros acima de 10% para essa volta.”

O diretor defende que o Banco Central aguarde pelo menos duas reuniões para observar os indicadores antes de tomar uma decisão de mudança nos juros. E, se não subir a Selic até maio, Abbud acredita que não vai aumentar mais neste ano.

Diante do cenário descrito, a Persevera defende uma combinação no portfólio de Bolsa e juros prefixados com vencimentos no máximo em três anos.

Na preparação para a alta

Com visões diferentes das da Persevera, há gestoras que veem razões para a Selic ser elevada substancialmente em 2021. É o caso da Occam Brasil, que espera que a taxa básica de juros encerre dezembro em 5% ao ano, com seis altas consecutivas.

Na avaliação de Pedro Dreux, sócio e gestor da Occam Brasil, após a exclusão do forward guidance, o BC está preparando o terreno para a alta da Selic, que deve acontecer a partir de março ou em maio, a depender dos dados divulgados no período.

Ainda que a inflação tenha registrado em janeiro a menor taxa desde agosto, com alta de 0,25% do IPCA, Dreux espera que os preços voltem a surpreender negativamente este ano, encerrando 2021 com uma inflação de 4,10%, novamente acima do centro da meta estabelecida pelo governo, de 3,75%. Em 2020, a inflação medida pelo IPCA ficou em 4,52%.

“Quanto antes o BC agir, melhor. Quanto mais tarde, maior terá que ser o ajuste”, avalia o gestor da Occam.

Janela de oportunidade

Além da inflação, entre os principais fatores que contribuem para uma projeção da Occam para a Selic acima do esperado pelo mercado financeiro, estão o ambiente de grande liquidez global e o ritmo de retomada da economia mundial, com destaque para China e Estados Unidos, que tendem a aumentar a demanda por commodities.

Leia mais:
Com excesso de liquidez e alta dos preços, SPX espera aumento de 50 pontos-base da Selic em março

Dreux acredita que a retomada da atividade também implica um cenário mais altista para os juros globais, com as taxas nominais nos EUA já acentuadas desde o segundo semestre de 2020.

“O BC está identificando uma janela favorável ao ambiente internacional e deveria aproveitar isso para iniciar o processo de normalização dos juros por aqui”, avalia.

Segundo o gestor da Occam, caso a autoridade monetária tenha que subir a Selic mais rapidamente diante da fragilidade fiscal e excesso de endividamento, e isso ocorrer em um momento em que o apetite ao risco é negativo, o processo pode ficar “desordenado”.

Alocação

No Brasil, a casa possui posição tomada (que ganha com a alta das taxas) em contratos de juros futuros e em inflação implícita (expectativa da variação futura dos preços). A Occam vê queda de 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, seguida por uma expansão tímida de 3% da atividade brasileira em 2021.

No câmbio, Dreux diz esperar depreciação do real em relação ao dólar, embora a casa tenha posição neutra na moeda americana.

Com o tema de recuperação da atividade tomando conta do cenário em 2021, o gestor diz gostar de temas cíclicos nas bolsas globais, com exposição a commodities, além de manter uma posição relevante em empresas de tecnologia.

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.

The post Selic a 2% ou a 5%? Persevera e Occam explicam diferentes previsões para os juros em 2021 appeared first on InfoMoney.

- Advertisment -