sexta-feira, junho 18, 2021
Home Brasil Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta sexta-feira

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta sexta-feira

stocks ações índices bolsa gráfico

SÃO PAULO – Os principais índices dos mercados acionários mundiais operam próximos à estabilidade ou com leves ganhos nesta sexta-feira (11), com os investidores ainda repercutindo o dado de inflação nos EUA. Apesar do indicador ter assustado inicialmente ao subir 5% em doze meses, a leitura posterior feita foi de que a alta de preços é transitória, conforme discurso já adotado pelo Federal Reserve. A inflação mais alta foi puxada por itens associados com a reabertura econômica e a expectativa é que a autoridade monetária possa manter sua postura mais acomodatícia.

Atenção ainda para a reunião do G7 nesta sexta-feira, a primeira presencial em quase dois anos.

No Brasil, além do noticiário corporativo bastante movimentado, os investidores esperam pelos dados de serviços do mês de abril. Confira os destaques:

1.Bolsas mundiais

Os índices futuros americanos operam em leve alta nesta sexta-feira (11). Os mercados asiáticos fecharam com desempenhos variados, e as bolsas europeias registraram altas. Investidores reagem à divulgação de dados de inflação mais aquecidos do que o esperado nos Estados Unidos.

O Departamento de Emprego americano divulgou na quinta o CPI, sigla em inglês para índice de preços ao consumidor, que indicam que a inflação cresceu 5% em maio quando comparada com o mesmo período do ano anterior. É o ritmo mais intenso desde 2008, em um momento em que a economia dos Estados Unidos se recupera da recessão ocasionada pela pandemia.

Na quinta, o índice S&P 500 subiu 0,47%, atingindo um novo patamar recorde; o Dow Jones subiu 0,06%; e o Nasdaq avançou 0,78%.

Investidores vêm acompanhando o ritmo de inflação, buscando identificar uma potencial mudança na política de estímulo monetário do Federal Reserve, cujas autoridades vêm, no entanto, indicando que encaram a alta dos preços como transitória. O forte crescimento é parcialmente impulsionado pela base de comparação fraca de 2020, o primeiro ano da pandemia.

Na quinta, um levantamento realizado entre economistas pela agência internacional de notícias Reuters indicou que a maioria espera que o Fed anuncie uma redução em seu programa de compra de títulos entre agosto e setembro, com cortes nas aquisições mensais a partir do início de 2022.

Também na quinta-feira o Departamento de Emprego divulgou dados sobre novos pedidos de seguro-desemprego no país, que somaram 376 mil na semana encerrada em 5 de junho, o menor patamar desde o início da pandemia.

Até 9 de junho, os Estados Unidos haviam vacinado 51,45% de sua população, segundo dados oficiais compilados pelo site Our World in Data. A vacinação em massa tem contribuído para reduzir mortes e internações e para reativar a atividade econômica, mas o governo do democrata Joe Biden tem tido dificuldade em elevar o patamar de imunizados para além da faixa de 51%.

As bolsas asiáticas fecharam com desempenhos variados entre si, com destaque para o Sensex, da Índia, que chegou a atingir 52.641,53 pontos, um patamar recorde antes de perder parte dos ganhos, e fechar em alta de 0,33%.

No Japão, o Nikkei teve uma leve baixa, fechando em 28.948,73 pontos; na Coreia do Sul, o Kospi subiu 0,77%; o Shanghai composto caiu 0,58%; o índice Hang Seng, de Hong Kong, subiu 0,33%.

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, sobe 0,3%, com destaque para o setor de recursos básicos, que avança 1,5%. Bancos perdem 0,6%.

Uma estimativa inicial divulgada na sexta pelo Escritório para Estatísticas Nacionais indica que o PIB do Reino Unido subiu 2,3% em abril frente ao mês anterior. O órgão afirmou que o patamar se mantém 3,7% abaixo do nível de fevereiro de 2020, anterior à pandemia. Mas está 1,2% acima do primeiro pico de recuperação, em outubro de 2020, antes de uma nova onda de Covid atingir o país.

A alta dos índices europeus é impulsionada por esperanças de que grandes bancos centrais permanecerão expansionistas apesar de sinais de alta de inflação, com os investidores entrando em setores cíclicos como de commodities, industrial e bancário, que tendem a se beneficiar de uma recuperação econômica.

O G7 se encontra nesta sexta-feira em Cornwall, no Reino Unido. O ministro do país, Boris Johnson, espera que o grupo de democracias liberais ricas concorde em doar 1 bilhão de doses de vacinas contra a Covid a países em desenvolvimento. O grupo é composto por: Alemanha, Canadá, França, Estados Unidos, Itália, Reino Unido e Japão.

A expectativa é de que os líderes endossem publicamente a cobrança de um imposto mínimo de 15% sobre empresas, como parte de um acordo mais amplo para atualizar a legislação internacional sobre impostos, levando em conta uma economia mais globalizada e digitalizada.

Veja o desempenho dos principais índices às 7h40 (horário de Brasília):
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,16%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,18%
*Dow Jones Futuro (EUA), +0,24%
Europa
*FTSE (Reino Unido) +0,63%
*Dax (Alemanha), +0,28%
*CAC 40 (França), +0,59%
*FTSE MIB (Itália), +0,03%
Ásia
*Nikkei (Japão), -0,03% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), +0,36% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), +0,77% (fechado)
*Shanghai SE (China), -0,58% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +0,228%, a US$ 70,45 o barril
*Petróleo Brent, +0,23% a US$ 72,69 o barril
*Bitcoin -1,74%, a US$ 37.544,47
**Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com alta de 5,9%, cotados a 1247 iuanes, equivalente hoje a US$ 195,14 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,39

2. Agenda

Às 9h são divulgados dados sobre o volume do setor de serviços em abril no Brasil. A expectativa, segundo projeções compiladas pela Refinitiv, é de avanço de 0,6% ante março e alta de 18,2% na comparação com abril de 2020.

Atenção ainda ao noticiário político: a CPI da Pandemia recebe nesta sexta-feira os cientistas Natalia Pasternak e Claudio Maierovitch. A sessão está marcada para começar as 9h.

Nos EUA, Às 11h são divulgados dados sobre confiança do consumidor, expectativas de inflação em 5 anos e condições atuais, relativos a junho e medidos pela Universidade de Michigan.

3. Covid no Brasil

Na quinta (10), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 1.764, queda de 2% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 2.344 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 59.151, queda de 1% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 89.802 casos.

Chegou a 52.790.945 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 24,93% da população. A segunda dose foi aplicada em 23.520.981 pessoas, ou 11,11% da população.

A CPI da Covid no Senado aprovou na quinta-feira uma série de requerimentos de quebra de sigilos telefônico e telemático dos ex-ministros general Eduardo Pazuello, da Saúde, e Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e também de pessoas que fariam parte do suposto gabinete paralelo de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia, além de integrantes do Ministério da Saúde.

Diante da ausência do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), que deporia na quinta, integrantes da CPI dedicaram-se à segunda parte da pauta, que incluía os requerimentos. Lima optou por não comparecer após obter um habeas corpus.
A CPI pediu informações de empresas que receberam recursos públicos. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, uma das possibilidades é investigar crimes do presidente relacionados ao chamado “tratamento precoce” (conjunto de medicamentos sem eficácia cientificamente comprovada contra a Covid).

Dentre os integrantes do grupo de assessoramento alternativo de Bolsonaro que tiveram os sigilos telefônico e telemático quebrados, estão o assessor internacional da Presidência, Filipe Martins, o virologista Paolo Zanotto e o empresário Carlos Wizard.

Além deles, o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco e a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro (conhecida como “capitã cloroquina”), também tiveram sigilos quebrados, assim como Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde e o ex-secretário de Saúde do Amazonas Marcellus Campelo.

O Supremo Tribunal Federal (STF) liberou na quinta-feira a realização da Copa América no Brasil após rejeitar, em julgamento no plenário virtual da corte, três ações que buscavam impedir a realização do torneio de futebol.

O Brasil assumiu a Copa América após Argentina decidir não hospedar a competição, em meio à alta de casos de Covid, e a Colômbia também se recusar, devido a protestos ocasionados pela gestão local da pandemia. Com a decisão do STF, a competição vai começar no próximo domingo em Brasília com o jogo Brasil contra Venezuela.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou na quinta que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, finaliza um parecer desobrigando o uso de máscaras àqueles que já estiverem vacinados ou ainda a quem já tiver contraído a Covid-19.

“Acabei de conversar com um tal de Queiroga, não sei se vocês sabem quem é, o nosso ministro da Saúde. E ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que já estejam vacinados ou que já foram contaminados. Para tirar esse símbolo, que obviamente tem a sua utilidade para quem está infectado”, disse o presidente em evento de apoio ao setor de Turismo.

Queiroga vem, no entanto, defendendo o uso da máscara e de outras medidas como o distanciamento físico, como forma de conter a disseminação do coronavírus. O vírus tem capacidade de contaminar pessoas já vacinadas ou que já se contaminaram anteriormente. Apesar de a probabilidade de mortes e internações ser menor para vacinados, eles podem continuar propagando o vírus.

4. Dívida bruta e independência do BC

Segundo reportagem publicada no jornal Valor Econômico, a aceleração da inflação e o crescimento acima do esperado da atividade econômica têm levado economistas a melhorarem suas previsões para a dívida bruta do Brasil, para níveis próximos a 82% do PIB, frente às projeções próximas de 96% feitas ao final de 2020.

Esse cenário também leva em conta o aumento da arrecadação do governo. Desde o projeto de Orçamento para 2021, apresentado em agosto de 2020, a estimativa de receitas do governo foi elevada em R$ 200 bilhões. Este fator vem contribuindo para que economistas revisem suas previsões para o déficit primário de pouco mais de 3% do PIB para pouco menos de 2%.

Ainda segundo o jornal, a equipe econômica do governo vem trabalhando com uma estimativa para a dívida pública em torno de 84%. Uma fonte da área econômica ouvida pelo jornal disse avaliar que a manutenção do teto de gastos e o compromisso com a austeridade fiscal estariam contribuindo para o crescimento, arrecadação e indicadores fiscais de forma geral.

Na quinta, o Supremo Tribunal Federal marcou para os dias 18 a 25 de junho o julgamento pelo plenário virtual de uma ação movida por partidos de oposição que questiona uma lei aprovada pelo Congresso Nacional que institui a autonomia do Banco Central.

Em manifestação enviada em abril ao STF, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou um parecer favorável à ação. Segundo Aras, a justificativa é que há um vício formal na lei, uma vez que o projeto aprovado foi originalmente apresentado no Senado, mas trata de “matéria sujeita à iniciativa privativa do presidente da República”.

5. Radar corporativo

Em destaque no noticiário corporativo, a Lojas Americanas  e sua controlada B2W informaram que seus respectivos acionistas aprovaram nesta quinta-feira em assembleias uma proposta de fusão que cria a Americanas s.a.

Já a Alliar anunciou na noite de quinta-feira que recebeu o pedido de renúncia do seu então CEO Sami Foguel, que havia assumido o cargo em dezembro de 2019.

A companhia de alimentos BRF informou que construirá um novo centro de distribuição na região da Grande Vitória (ES), com investimentos estimados em R$ 70 milhões.

A companhia aérea Azul captou US$ 600 milhões nesta quinta-feira em bônus de cinco anos no exterior.

A companhia paulista de saneamento básico Sabesp informou que seu conselho de administração aprovou uma emissão de debêntures de até R$ 1,2 bilhão.

A CCR, por sua vez, anunciou que assinou um aditivo ao contrato de concessão da BR-163/MS, operado por sua subsidiária MSVia. Do mesmo setor, a Ecorodovias anunciou a aprovação de uma oferta restrita de 172 milhões de ações. Considerando o valor de fechamento dos papéis na véspera de R$ 13,33, a oferta tem potencial de levantar R$ 2,3 bilhões.

Ainda em destaque, sindicatos de trabalhadores da estatal de energia Eletrobras têm preparado a realização de uma greve de 72 horas que poderia ser iniciada caso um projeto do governo para privatização da companhia entre na pauta de votações do Senado. O movimento visa protestar contra os planos do governo Jair Bolsonaro de desestatizar a companhia. A paralisação não impactaria a geração de energia no Brasil, que tem visto seu parque de hidrelétricas pressionado por uma crise hídrica, mas poderia eventualmente atrapalhar atividades de manutenção e elevar riscos para o sistema, disse à Reuters um líder sindical.

Na quinta, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, garantiu que o projeto de privatização resultará em redução de tarifas para o consumidor, após mudanças à proposta original de desestatização terem gerado críticas de especialistas e temores de impacto futuro à conta de luz.

A Samarco protocolou na quinta-feira seu plano de recuperação judicial na 2ª Vara Empresarial da Comarca de Belo Horizonte, propondo descontos de 85% no valor a ser pago aos maiores credores da companhia que não aceitarem receber ações preferenciais da mineradora. Ao principal grupo de credores, que reúne quase 100% da dívida de cerca de R$ 50 bilhões e engloba detentores de títulos, acionistas e fornecedores médios e grandes, a empresa propôs a conversão dos valores a receber em capital social da empresa, por meio de ações preferenciais com direito a dividendos diferenciados.

A Petrobras informou que concluiu na quinta, por meio da sua subsidiária integral Petrobras Global Finance B.V., oferta de títulos no mercado de capitais internacional no valor de US$ 1,5 bilhão de dólares, com vencimento em junho de 2051. A operação, precificada no dia 2 de junho, representou a menor taxa de retorno (“yield”) de uma emissão na história da Petrobras para um título de 30 anos, segundo comunicado. A demanda aproximada foi 6,2 vezes superior à oferta, com participação de 426 investidores dos Estados Unidos, Europa, Ásia e América Latina.

A gigante de pagamentos Visa anunciou na quinta a saída de seu principal executivo no Brasil, Fernando Teles, que estava na cargo há cerca de cinco anos. O anúncio ocorre num momento de grande efervescência no mercado de pagamentos no Brasil.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

Para entender como operar na bolsa através da análise técnica, inscreva-se no curso gratuito A Hora da Ação, com André Moraes.

The post Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta sexta-feira appeared first on InfoMoney.

- Advertisment -